Foi encontrado o corpo de um dos dois pescadores ainda desaparecidos no naufrágio de terça-feira na Figueira da Foz.

A informação foi avançada à TVI pelo porta-voz da Autoridade marítima Nacional, Nuno Leitão.

"Descobriu-se mais um cadáver na zona interior do arrastão, numa zona de difícil acesso"


Os mergulhadores tentam agora retirar o corpo, enquanto outra equipa continua as buscas para tentar encontrar o outro pescador desaparecido.


"Esta foi uma operação de mergulho muito complicada, aproveitando o esforço da maré mas a complicar ainda mais com a falta de visibilidade"


O naufrágio do Olívia Ribau, na passada terça-feira, cercadas 19:15, à entrada do porto da Figueira da Foz, provocou já quatro mortos. Dois pescadores foram resgatados com vida na noite do acidente, mas um continua desaparecido

Buscas vão ser retomadas sábado de manhã

As buscas no interior do arrastão Olívia Ribau foram suspensas cerca das 21:00 de hoje e retomam às 08:00 de sábado, segundo a Autoridade Marítima.
 

De acordo o porta-voz da Autoridade Marítima, Nuno Leitão, ao início da madrugada de sábado vão decorrer trabalhos para "tentar levar [o arrastão] mais para o interior da bacia de manobra do porto da Figueira da Foz", junto à praia do Cabedelinho, entre os molhes sul e interior sul do rio, para possibilitar uma maior "janela de oportunidade" de buscas aos mergulhadores da Armada e colocar a embarcação "fora da ação das correntes".


Os mergulhadores irão assim vistoriar uma parte do navio que ainda não foi analisada, embora Nuno Leitão reafirme que "não é uma certeza" que o corpo do pescador que falta recuperar esteja no interior do arrastão naufragado.

Sábado chegará ainda à Figueira da Foz um sonar do Instituto Hidrográfico, que, de acordo com o porta-voz da Autoridade Marítima, possibilita um "varrimento lateral" de 40 metros para cada lado do fundo do rio Mondego.

"Possibilita uma radiografia do fundo, detetando todas as irregularidades", frisou aquele responsável, adiantando que a utilização daquele equipamento poderá servir para detetar o corpo do pescador ainda desaparecido ou outros objetos no canal de navegação, como artes de pesca ou uma parte da ré do arrastão que se partiu.