Um navio de cruzeiro recolheu na terça-feira oito tripulantes de um veleiro belga em risco de se afundar a cerca de 1.070 milhas náuticas (aproximadamente 1.982 quilómetros) a sudoeste de São Miguel, numa operação coordenada pela Marinha e Força Aérea.

«O veleiro Buccaneer, de bandeira belga, com sete tripulantes de nacionalidade espanhola e um belga, participava na 8ª regata Gran Prix Atlantico, quando embateu num objeto que provocou uma avaria grave e que originou a entrada incontrolada de água para o interior da embarcação, pondo em perigo os tripulantes por existirem fortes possibilidades de afundamento», segundo avançou o Comando da Zona Aérea dos Açores à Lusa.

Nesta operação dirigida pelos Centros Coordenadores de Busca e Salvamento Marítimo (Ponta Delgada) e Aéreo (Lajes) os tripulantes foram recolhidos pelo navio de cruzeiro «Costa Delicioza» que «navegava a cerca de 180 quilómetros do veleiro em perigo».

Segundo o Comando da Zona Aérea dos Açores, o alerta do veleiro chegou ao centro coordenador de Ponta Delgada às 06:47 de terça-feira, reencaminhado pelo seu centro homólogo em Lisboa, mas, «dada a necessidade urgente de resgatar os tripulantes, foi contactado o Centro de Busca e Salvamento das Lajes, na Terceira, para empenhar uma aeronave».

No entanto, atendendo à distância a que se encontrava o veleiro em perigo, este centro decidiu ativar um avião de patrulha marítima P-3C Orion, da Esquadra 601, da Base Aérea n.º 11, em Beja.

De acordo com o Comando da Zona Aérea dos Açores o paquete Costa Deliziosa chegou ao local às 19:00 e iniciou de imediato a recolha dos tripulantes do veleiro em perigo, operação concluída pelas 20:23.

Os oito tripulantes estão a bordo do paquete e «encontram-se de boa saúde», refere a Força Aérea.

O veleiro acidentado «foi abandonado e está à deriva no Atlântico» e, «por apresentar perigo, foi emitido um aviso à navegação».

«Nesta operação colaboraram ainda os centros congéneres de Espanha, do Reino Unido e da Bélgica», adianta ainda a Força Aérea Portuguesa.