Sete em cada dez famílias da União Europeia não têm filhos, embora os europeus gostassem, em média, de ter 2,3. Os valores são levados à décima porque se trata de um estudo divulgado esta quinta-feira pelo Instituto de Política Familiar (IPF)em Bruxelas.

O horário de trabalho pouco flexível é o principal obstáculo identificado pelo IPF, sendo que o índice médio de fecundidade está nos 1,58 por mulher.

A Evolução da Família na Europa 2014, assim se designa o relatório, revela, ainda, que todos os Estados-membros estão abaixo do nível de substituição geracional (2,1).

No caso de Portugal, o país apresenta o pior índice de fecundidade (1,28), seguindo-se a Polónia (1,31) e a Espanha (1,32).

Outra conclusão é que a população europeia está cada vez mais envelhecida, com uma idade média de 41,9 anos. São quase mais sete anos do que em 1990.