A Plataforma de Dados da Saúde registou nove casos de mutilação genital feminina (MGF) em Portugal desde março, adiantou esta sexta-feira a secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade.

Repórter TVI: «Cicatriz», a mutilação genital

Em declarações à Lusa, Teresa Morais considerou de «uma importância muito grande» o registo de «casos concretos» na plataforma, que, depois de ter experimentado alguns problemas técnicos, está em funcionamento desde março. Os casos, alguns com vários anos, serão agora estudados pela Plataforma.

Estima-se que 140 milhões de mulheres tenham sido submetidas à MGF em todo o mundo e que três milhões de meninas estejam em risco anualmente. A prática, que causa lesões físicas e psíquicas graves e permanentes, é mantida em cerca de 30 países africanos, entre os quais a lusófona Guiné-Bissau.

A MGF migrou para a Europa, onde se estima que vivam 500 mil mulheres afetadas por uma mutilação genital e 180 mil meninas estejam em risco, anualmente.

A referenciação dos casos representa «um passo decisivo em matéria de conhecimento sobre a realidade da mutilação genital feminina em Portugal, de que, durante muitos anos, se falou apenas em termos teóricos, (...) de sensibilização, sem que o país soubesse, verdadeiramente alguma coisa de concreto sobre o que se passava», afirmou Teresa Morais.

«É o início de uma nova fase na abordagem da mutilação genital feminina em Portugal», frisou, sublinhando que permite «passar das meras suspeitas» a «casos concretos».

Juntando o registo ao estudo de prevalência em curso, Portugal poderá passar de «estimativas feitas em cima do joelho para um conhecimento mais detalhado», que permita «intervir junto das comunidades de risco», destacou.

Realçando que apenas foi informada do número de casos e da tipologia da mutilação genital em causa, Teresa Morais reconheceu que será relevante conhecer outros detalhes, como a idade das vítimas e o local e a data da prática da MGF. Essa informação, disse, deverá constar do relatório que a Direção Geral da Saúde divulgará no final do ano.

Teresa Morais adiantou ainda que foi aprovada pela Comissão de Proteção de Crianças e Jovens em Risco «uma circular, sob a forma de manual de procedimentos, com orientações técnicas sobre como os técnicos e as técnicas das CCPJ devem atuar para prevenir e sinalizar os casos de MGF».

A secretária de Estado informou também que a pós-graduação sobre MGF na Escola Superior de Enfermagem de Lisboa «vai ser repetida em outubro». Com propina gratuita, a primeira edição foi frequentado por mais de 30 profissionais de saúde, que depois deram formação aos colegas.

Entretanto, acrescentou a governante, a Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (CIG) está a trabalhar num protocolo com Instituto Politécnico de Setúbal, para realizar uma pós-graduação em moldes similares no Barreiro, no último trimestre de 2014.

Ainda sobre a MGF, estão abertas até 4 de agosto as candidaturas ao prémio «Mudar agora o futuro», podendo concorrer a financiamento as «organizações sem fins lucrativos que tenham projetos de intervenção na comunidade que possam contribuir para prevenir e erradicar esta prática», recordou a secretária de Estado.