O Ministério Público de Cabeceiras de Basto deduziu acusação contra três indivíduos pela coautoria de cinco crimes de falsificação ou contrafação de documento, informou esta quarta-feira o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Em comunicado, o SEF acrescenta que esta acusação resulta de investigação por si realizada no âmbito do combate ao abuso de direito na obtenção de certificados de cidadão da União Europeia.

Os arguidos são dois homens e uma mulher.

Segundo o SEF, elaboraram um plano, que viriam a executar, e que consistia em permitir que cidadãos estrangeiros declarassem às autoridades portuguesas que residiam numa morada, igualmente sede de uma empresa em que um dos arguidos era o único sócio-gerente.

Para tal, «os arguidos deslocavam-se à respetiva Junta de Freguesia e obtinham atestados que sabiam serem falsos, sendo que um outro, técnico oficial de contas, forjava recibos de vencimento supostamente pagos aos referidos cidadãos estrangeiros, para fazerem crer que trabalhavam para a tal sociedade».

A mulher foi identificada em flagrante pelo SEF quando procedia ao levantamento dos certificados de cidadão da União Europeia na Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto.