"É um procedimento normal, standard, neste género de casos. Prestamos apoio psicológico a todas as vítimas", disse à agência Lusa fonte oficial da tutela da Saúde da Junta de Castilla y León (norte de Espanha).

O mesmo tipo de ajuda será igualmente prestada aos familiares das vítimas que se desloquem à unidade de Zamora (Hospital Virgen de la Concha) onde ainda permanecem dois dos sobreviventes, o português de 35 anos que ia ao volante do carro acidentado e uma adolescente francesa de 13 anos que também seguia a bordo.

Fonte diplomática portuguesa adiantou, entretanto, à Lusa que a família das três crianças que morreram no acidente deverá deslocar-se a Zamora na segunda-feira, também para "tratar dos procedimentos com vista às trasladações".

De acordo com o último ponto de situação, o pai das crianças que morreram continua internado nos "com prognóstico grave" na Unidade de Cuidados Intensivos, enquanto a menor francesa está na Pediatria, com "prognóstico ligeiro" podendo mesmo ter alta já hoje.

O acidente que vitimou mortalmente três crianças portuguesas e deixou dois feridos ocorreu no sábado de manhã, quando o carro em que seguiam colidiu com um camião ao quilómetro 482 da estrada N-122, perto de Cerezal de Aliste, província de Zamora, no noroeste do país.

As crianças que morreram, dois rapazes e uma menina, tinham quatro, oito e doze anos. O acidente ocorreu quando vinham a caminho de Portugal (mais concretamente para a vila de Murça, distrito de Vila Real), provenientes de França.

A estrada em que seguiam, a Nacional 122, é habitualmente usada por emigrantes que vêm a Portugal passar as férias.

O acidente aconteceu por volta das 10:40 (09:40, hora de Lisboa) de sábado junto a Cerezal de Aliste.

O carro em que as crianças vinham, um Opel Zafira, colidiu com um camião carregado de pneus, que se incendiou, embora o condutor do pesado tenha saído ileso. O condutor do camião, que se dirigia para a Holanda, é também de nacionalidade portuguesa