Uma portuguesa de 37 anos, residente em Luanda, desaparecida desde quinta-feira, foi encontrada sem vida na segunda-feira, nos arredores da capital angolana, informou esta terça-feira à Lusa fonte dos serviços consulares de Portugal. 

Ao que a TVI apurou, foram já detidas duas pessoas e outros dois suspeitos continuam a monte.  De acordo com informações avançadas pela Lusa, que cita o porta-voz do Comando Geral da Polícia Nacional de Angola, Aristófanes dos Santos, um dos detidos será o autor confesso do crime. Os dois homens já detidos «eram conhecidos» da vítima, um dos quais trabalhava na mesma empresa petrolífera, na capital angolana.

A vítima, natural de Faro e que trabalhava para a empresa Subsea 7, terá sido levada por assaltantes, na quinta-feira, quando regressava de um jantar com amigos e alvo de uma tentativa de extorsão de dinheiro. 

Foi encontrada na segunda-feira, sem vida, nos arredores da cidade de Luanda. O corpo estaria na mala do carro da vítima. O caso está a ser investigado pela polícia angolana. 

A vítima estava amarrada e com sinais de espancamento, de acordo com a descrição policial citada pela Lusa. «Ainda não temos os resultados da autópsia, mas terá morrido por asfixia», explicou Aristófanes dos Santos, garantindo que a polícia angolana está no terreno, em investigações, para resolver o caso.

«Mas o móbil do crime terá sido uma tentativa de extorsão de dinheiro, da empresa, por transferência».

A Polícia Nacional disponibilizou esta terça-feira dois contactos telefónicos para obter mais informações sobre o paradeiro dos dois outros elementos suspeitos que se encontram em fuga.

Estima-se que mais de 200 mil portugueses vivem atualmente em Angola, sobretudo na província de Luanda.