O pintor João Chichorro, de 67 anos, morreu esta terça-feira em casa em São Domingos de Carmões, no concelho de Alenquer, disse à Lusa uma fonte próxima da família.

De acordo com a mesma fonte, o velório do pintor realiza-se esta terça-feira à tarde na Basílica da Estrela, em Lisboa, de onde sairá o funeral na quarta-feira, após missa de corpo presente, sem ter adiantado quaisquer horários.

Natural de Portalegre, onde nasceu a 5 de novembro de 1947, Chichorro foi distinguido em 1968 com o Prémio Nacional de Pintura do extinto Secretariado Nacional de Informação.

Uma das mais recentes exposições do pintor foi em Lisboa, em 2006, «Porquoi Pas?», na Galeria de S. Mamede, e nesse mesmo ano, em Cascais, na Casa Decor, apresentou um projeto sobre intervenção de design no artesanato.

À Lusa, na ocasião, o artista plástico afirmou que preparava um trabalho sobre caligrafias, intitulado «Impressão de viagens à China».

Entre as exposições mais recentes, refira-se, «Snap-Shots», no Museu da Tapeçaria, em Portalegre (2005), «Alguidares», no Palácio Póvoas, também em Portalegre (2002), «Personagens», no Forte S. João, em Vila do Conde (2001) e «Ansiobrinquedos», na Galeria Enes, em Lisboa (2000).

João Chichorro expôs desde 1967, tendo apresentado telas tanto em Portugal como no estrangeiro, nomeadamente, em Londres, Paris, Colónia, Rio de Janeiro e em Moçambique.

O artista plástico estudou pintura, design e arquitetura de interiores em Lisboa e no estrangeiro.

Além da pintura, Chichorro executou cartões para tapeçarias e ilustrou livros para crianças.