O coronel Casanova Ferreira, que esteve ligado à revolta falhada das Caldas da Rainha (16 de março de 1974), mas precursora do golpe que derrubaria a ditadura a 25 de Abril, morreu esta quinta-feira em Lisboa, informou fonte familiar.

Luis António Casanova Ferreira, de 84 anos, morreu esta noite num hospital de Lisboa após de 15 dias de internamento, acrescentou a fonte da família.

O funeral realizar-se-á na sexta-feira, às 15:00, hora a que o corpo sairá da igreja do Campo Grande para o cemitério do Alto de S. Joao.

Casanova Ferreira fez a sua última comissão militar antes do 25 de Abril na Guiné-Bissau e era tido como próximo do general António Spínola, a quem o então primeiro-ministro, Marcello Caetano, entregou o poder no dia 25 de Abril de 1974.

O militar foi preso no 11 de março de 1975, na tentativa de golpe de estado dirigida por António de Spínola, e libertado uma semana antes do 25 de novembro. Passou à reserva como coronel tendo ainda sido comandante do regimento de Infantaria de Abrantes.