O arquiteto Duarte Castel-Branco, que trabalhou em planos urbanísticos em Lisboa, Porto e Abrantes, morreu no domingo, aos 86 anos, disse à Lusa fonte da família.

Duarte Castel-Branco morreu em casa, em Abrantes, e o funeral realiza-se terça-feira, em Lisboa, depois de uma missa na Igreja do Campo Grande, referiu a mesma fonte.

Nascido em Macau, em julho de 1928, e diplomado em Arquitetura, no Porto, Duarte Castel-Branco doou em 2007, ao município de Abrantes, a coleção documental do seu trabalho, à guarda do Arquivo Histórico Municipal Eduardo Campos.

Em Itália e em França completou a sua formação com estudos de urbanismo, área em que trabalhou nomeadamente em Lisboa, colaborando no Plano Director de Lisboa, e no Porto, no Plano Geral de Urbanização e Plano Director Municipal.

Em Abrantes, a ele se devem o Grémio da Lavoura, blocos habitacionais, o Monumento a D. Nuno Álvares Pereira e o projeto de restauro de parte do Convento de S. Domingos, para a instalação da actual Biblioteca Municipal António Botto.

No Porto, desenhou a ponte de S. Francisco.

Atualmente era professor catedrático da Faculdade de Arquitetura da Universidade Técnica de Lisboa.