A família de um idoso de 90 anos que morreu esta segunda-feira no hospital da Guarda apresentou queixa, alegando falta de explicações sobre a situação clínica deste.

Segundo o Jornal de Notícias, a Unidade Local de Saúde da Guarda confirmou que o processo está a ser alvo de uma investigação na sequência da reclamação.

“Quisemos saber vezes sem conta o que se estava a passar e não nos diziam nada”, contou ao JN José Fernandes, filho da vítima.

O idoso estava internado há cerca de três semanas com um problema cardíaco e complicações pneumológicas.

Nos últimos dias, a perna do homem surgiu com um grande hematoma, que foi registado em imagens pela família, que alega que a equipa médica nunca explicou o que se estava a passar.

“Pedimos esclarecimentos e foram negados para agora sermos confrontados com um facto consumado”, disse o mesmo filho.

Segundo o chefe do serviço de Medicina Interna do hospital da Guarda, João Correia, o idoso tinha um “mau prognóstico global”.

O mesmo responsável admite que o hematoma “podia ser uma necrose, gangrena, equimose ou ter sofrido uma embolia local”, mas que ainda não há dados suficientes para avaliar a causa da morte.

João Correia acrescentou ainda que o idoso “teve um cancro na próstata e deu entrada no hospital com uma insuficiência cardíaca grave”.