Subiu para sete o número de portugueses que morreram neste desastre aéreo na Namíbia. Uma das vítimas era dada como angolana, mas afinal é luso-angolana.

É já o segundo caso de dupla nacionalidade entre as vítimas deste acidente. O empresário sérgio soveral só aparecia como brasileiro na lista das «Linhas Aéreas Moçambicanas», mas veio a saber-se que também tinha nacionalidade portuguesa.

O Secretário de Estado das Comunidades alerta que ainda estão a ser analisados mais dois casos, salvaguardando a possibilidade de haver mais portugueses neste voo mortal.

Enquanto a lista dos nomes se vai tornando pública, vários sites asseguram que há um músico angolano entre os mortos. O Facebook de Action Nigga está carregado de mensagens de condolências.

Entretanto, os 34 corpos já saíram da morgue de Rundu e seguiram este domingo para a capital da Namíbia, Windhoek. Estão a decorrer os procedimentos legais para serem transladados para os países de origem.

No entanto, ainda não são conhecidas as causas do acidente. Já se falou em mau tempo, mas Erickson Nengola, responsável pelas investigações de acidentes aéreos na Namíbia, já veio dizer o oposto neste domingo: as condições meteorológicas eram boas. E deixou outra revelação: as autoridades locais não conseguiram estabelecer contacto com a tripulação.

Certo é que o avião das linhas aéreas moçambicanas fazia uma viagem entre Maputo e Luanda na sexta-feira, até iniciar uma descida repentina de 1500 metros por minuto antes de desaparecer do radar.