O Ministério Público acusou 19 militares, incluindo um médico e um enfermeiro, no caso das mortes dos recrutas do curso de Comandos Hugo Abreu e Dylan Silva, em setembro de 2016, disse à agência Lusa uma fonte ligada ao processo.

De acordo com a mesma fonte, entre os acusados estão vários instrutores do curso de Comandos e seus superiores hierárquicos. Em causa estão os crimes de abuso de autoridade e ofensas à integridade física agravadas.

O despacho de acusação da procuradora Cândida Vilar ainda não foi notificada aos advogados de defesa.

O inquérito do MP investigou a morte daqueles dois recrutas e também factos relacionados com outros instruendos que receberam assistência hospitalar, durante o treino do 127.º Curso de Comandos, na região de Alcochete, distrito de Setúbal, a 04 de setembro de 2016.