Um homem confessou o crime e foi condenado a 14 anos de prisão efetiva por ter matado, em setembro de 2014, um sexagenário com uma facada no abdómen, num café do Porto. 

Durante a leitura do acórdão, a juíza caracterizou o crime como “repugnante”, mas pelo facto de o arguido não ter antecedentes criminais, ter 30 anos, cinco filhos menores, ter mostrado arrependimento e confessado o crime atenuou-lhe a pena, que poderia ir até aos 25 anos de prisão.

O caso ocorreu na noite de 12 para 13 de setembro de 2014, quando o arguido matou um homem reformado, de 62 anos, com uma facada no abdómen, num café do Porto, que estava à mesa com um grupo de amigos, por causa de comentários ofensivos à sua etnia.

Apesar de ter sido assistido no local, o homem não resistiu aos ferimentos e acabou por morrer.

Depois do crime, o arguido fugiu, sendo detido menos de um mês depois pela Polícia Judiciária.

A magistrada frisou que a vítima não teve possibilidade de se defender, tendo o arguido agido de forma “traiçoeira”. “Agiu com intenção de tirar a vida à vítima”. Como acabou por acontecer.