A recordação de um episódio de infância terá estado na origem do triplo homicídio seguido de suicídio ocorrido na quinta-feira em Faíscas, Arazede, Montemor-o-Velho, disse hoje aos jornalistas uma testemunha.

Três pessoas foram assassinadas a tiro na quinta-feira nesta localidade do distrito de Coimbra e o alegado homicida ter-se-á suicidado de seguida.

Na origem do crime, de acordo com o relato de uma testemunha que estava na casa onde ocorreram os assassinatos, terá estado uma recordação de um episódio da infância do alegado homicida.

“A balbúrdia começou quando a mãe do Paulo contou que ele quando era criança degolou cinco pintainhos com uma lâmina”, disse José Gonçalves que juntamente com a mulher e a filha de oito anos estavam a lanchar com o alegado homicida (Paulo da Cruz) e com a mãe, pai e avó deste (que foram assassinados no exterior da casa, num pátio traseiro).

José Gonçalves e a família tinham sido convidados por Paulo da Cruz para um lanche ajantarado em casa deste.

“Começou então uma enorme discussão e o Paulo, depois de várias discussões com o pai e de lhe ter dado uma cabeçada, terá ido ao quarto buscar a caçadeira com que matou a família”, disse ainda a testemunha.

José Gonçalves contou que viu Paulo disparar em direção ao pai e que aí fugiu com a mulher para a sua casa, com o objetivo de se proteger assim como à sua família.

“Depois disso não sei de mais nada”, explicou.

Durante a noite e ao longo da manhã vários populares têm estado reunidos nas imediações da casa onde ocorreram os crimes. A Polícia Judiciária esteve também durante a noite e durante parte da manhã na recolha de indícios criminais.

A GNR entrou dentro desta habitação às 05:10 de hoje e deparou-se com a existência de quatro cadáveres.

Emigrado no Luxemburgo, o alegado homicida terá regressado a Montemor há alguns meses. Os pais tinham também sido emigrantes.