O Ministério Público acusou 14 pessoas por 55 assaltos consumados ou tentados a residências de 17 concelhos do Norte, num processo envolvendo artigos de valor superior a meio milhão de euros, informou a Procuradoria-Geral Distrital do Porto.

Em nota publicada esta sexta-feira no seu site, a Procuradoria Distrital explica, citando a acusação do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) do Porto, que artigos em ouro e prata furtados pelo grupo foram vendidos em lojas especializadas de dois dos arguidos por um total de quase 31 mil euros.

Segundo a súmula da acusação, nos assaltos em causa foram subtraídos bens e valores cujo valor global ascende exatamente a 508.330,59 euros.

Ainda segundo a síntese da acusação divulgada pela PGD, os crimes ocorreram entre 31 de maio de 2011 e 15 de fevereiro de 2013 em sete localidades do distrito do Porto (Gaia, Gondomar, Leça da Palmeira, Maia, Matosinhos, Marco de Canaveses e Porto), uma de Vila Real (Peso da Régua) e nove de Aveiro (Espinho, Ovar, Oliveira de Azeméis, Gafanha da Nazaré, Ílhavo, Estarreja, S. João da Madeira, Cucujães e Santa Maria da Feira).

A acusação reporta-se igualmente à «aquisição sistemática», por parte de dois arguidos, de artigos de ouro e prata que o grupo furtava.

Estes dois arguidos detinham estabelecimentos de compra e venda de metais preciosos e terão comprado os artigos em causa por um total de 30.916,09 euros no período entre 26 de julho de 2012 e 13 de fevereiro de 2013, descreve o Ministério Público.

O DIAP acusa os arguidos da prática de vários crimes, entre os quais furto qualificado e recetação.