O Ministério Público acusou um homem, de 44 anos, pela prática de um total de 2.155 crimes de pornografia infantil agravada, informou esta quinta-feira a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

Segundo o Ministério Público, ficou indiciado que este arguido, entre abril de 2006 e abril de 2013, possuiu, cedeu, disponibilizou e partilhou através da Internet imagens e filmes com abusos sexuais de crianças, menores de 14 anos, de índole explicitamente pornográfico, com exposição alargada através da mesma internet de tais menores.

Durante as buscas realizadas à residência do arguido, em 19 de abril 2013, foram apreendidos computadores, discos rígidos externos contendo milhares de ficheiros e vestígios das partilhas desses conteúdos e da posse do material pornográfico com crianças.

A investigação foi realizada na 2ª secção Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, onde foram efetuados todos os exames informáticos e toda a recolha de prova digital que se aguardava desde a realização da operação internacional da Interpol com a PJ em fevereiro de 2006.

O MP requereu ainda a recolha do ADN do arguido na eventualidade de este vir a ser condenado em pena de prisão superior a três anos.