Magistrados do Ministério Público fizeram na sexta-feira de manhã buscas no Ministério das Finanças, confirmou este sábado à Lusa fonte do gabinete do ministro Mário Centeno.

A notícia foi avançada pelo Correio da Manhã (CM), na sua edição deste sábado, não se conhecendo qual o motivo da ação dos magistrados.

Fonte do ministério confirmou à agência Lusa “a realização de ações inspetivas”, garantiu a colaboração “de forma franca”, colocando “à disposição das autoridades judiciárias todos os elementos solicitados”.

O executivo não revela o motivo das “ações inspetivas”, “respeitando o segredo de Justiça”, ainda segundo a mesma fonte.

 A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou também as buscas, na sexta-feira, "para recolha documental" ao gabinete do ministro das Finanças, num inquérito que "não tem arguidos constituídos e está em segredo de justiça".

Confirma-se a realização de buscas para recolha de prova documental no âmbito de um inquérito em investigação no DIAP de Lisboa. O inquérito não tem arguidos constituídos e está em segredo de justiça", disse à agência Lusa fonte oficial da PGR.

A TVI apurou que as buscas foram feitas no gabinete do ministro, mas não na sala de trabalho de Mário Centeno.

Na sua edição deste sábado, o CM noticia as buscas, afirmando que foram feitas por magistrados da 9.ª secção do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP), que lida com o crime económico.

O jornal não adianta o motivo das buscas, mas lembra que se encontram em investigações processos ligados à Operação Ciclone, envolvendo a EDP e a REN quanto ao Mecanismo dos Custos para a Manutenção de Equilíbrio Contratual (CMEC) ou ainda o caso das viagens de membros do Governo a França para assistir a jogos do europeu de futebol, em 2016.