O Ministério das Finanças disse, esta quinta-feira, que aprovou “prontamente” as obras na Ponte 25 de Abril e que não tardou os seis meses que têm sido anunciados.

“A autorização das obras de manutenção da Ponte 25 de Abril não tardou os seis meses que têm sido referidos pela comunicação social”, disse em comunicado, o Ministério das Finanças.

A entidade adianta que a lei do Orçamento do Estado para 2018 previa já os “montantes necessários” à intervenção na infraestrutura.

“Recentemente, dois relatórios [do Instituto de Soldadura e Qualidade e do Laboratório Nacional de Engenharia Civil] indicaram a necessidade de realização de obras a curto prazo, confirmando a programação previamente definida pela Infraestruturas de Portugal. Face à urgência identificada nesses relatórios, o Ministério das Finanças aprovou, prontamente, as respetivas portarias de extensão de encargos”, concluiu.

Já hoje o presidente do conselho diretivo do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), Carlos Pina, garantiu que a Ponte 25 de Abril “está e estará segura”, explicando que não existe perigo para os utentes.

“O LNEC tem apoiado as Infraestruturas de Portugal (IP), desde o inicio desta obra [Ponte 25 de Abril]. Atualmente, através de um programa de monitorização contínua do comportamento, da leitura de vários aparelhos instalados na ponte e ainda analisando os regulatórios que o Instituto de Segurança e Qualidade faz mensalmente […] podemos afirmar que a Ponte 25 de abril esteve segura, está segura e vai continuar a estar segura”, disse Carlos Pina, que falava aos jornalistas no LNEC, em Lisboa.

Por sua vez, O presidente da Infraestruturas de Portugal (IP), António Laranjo, disse que a obra de reparação da Ponte 25 de Abril “não é urgente” e que, se houvesse perigo, a infraestrutura “estaria fechada”.

“Não é uma obra urgente nem emergente”, apesar de ser “prioritária” para a IP, declarou o responsável, que falava em conferência de imprensa na sede da empresa, em Almada.

António Laranjo admitiu que a IP já sabia da existência de fissuras na Ponte 25 de Abril - que liga as duas margens do rio Tejo entre Almada e Lisboa - há dois anos, mas rejeitou perigo, alegando que, nessa situação, “a ponte estaria fechada”.

A Ponte 25 de abril vai ser alvo durante dois anos de trabalhos manutenção, orçados em 18 milhões de euros, anunciou hoje a Infraestruturas de Portugal (IP), que lança ainda este mês o concurso público internacional para adjudicação da obra.