Técnicos e auxiliares de saúde vão fazer greve a 15 de maio. O anúncio foi feito, esta segunda-feira à tarde, durante um protesto no Ministério da Saúde.

Cerca de três dezenas de trabalhadores da saúde ocuparam pelas 15:00 a entrada do Ministério da Saúde, em Lisboa, para exigir a marcação de reunião com o ministro Paulo Macedo, mas receberam apenas a promessa de uma reunião para 26 de maio.

Em declarações à TVI24, Luís Pesca  da Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais, afirmou que estavam a lutar "por aquilo que achamos que é um Serviço Nacional de Saúde que todos os portugueses têm direito" e que perante a falta de resposta irão para a frente com uma "greve de 24 horas no dia 15 de maio".

Entre as reivindicações dos trabalhadores estão a criação da carreira de técnico auxiliar da saúde, a reposição das 35 horas semanais de trabalho, a criação do suplemento de risco, penosidade e insalubridade, a criação da carreira de técnico de emergência do INEM e a valorização das carreiras de técnico de diagnóstico e terapêutica e técnico superior de saúde.

Luís Pesca disse ainda à agência Lusa que foi enviada no dia 17 deste mês uma carta ao ministro a exigir a marcação de uma reunião, tendo Paulo Macedo remetido para a secretaria de Estado, que até hoje não deu qualquer resposta.

"Está na hora de o Governo ir embora" e "Basta, basta, basta, a saúde está à rasca" são frases gritadas pelos trabalhadores, que exibem também cartazes a exigir a demissão do Governo e que aludem à defesa do Serviço Nacional de Saúde.