O ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, disse esta quinta-feira que, «com bom senso e ponderação», hão-de ser encontradas soluções para algumas das questões levantadas pelos sindicatos da PSP e associações da GNR.

«Estamos a trabalhar e a dialogar com as estruturas sindicais. Eu julgo que, com bom senso e ponderação, saberemos encontrar soluções para algumas das questões levantadas», disse aos jornalistas Miguel Macedo, no final da cerimónia de inauguração das novas instalações do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), no Porto de Lisboa.

O ministro da Administração Interna vai reunir-se, na sexta-feira, com os sindicatos da Polícia de Segurança Pública (PSP) e com as associações socioprofissionais da Guarda Nacional Republicana (GNR), depois de um primeiro encontro, em janeiro.

Os sindicatos da PSP e as associações socioprofissionais da GNR querem que Miguel Macedo encontre soluções para minimizar os cortes salariais, tendo algumas das estruturas já apresentado ao ministro várias propostas.

Entre as reivindicações dos polícias, estão o subsídio de risco, a passagem da atividade a profissão de desgaste rápido, para efeitos fiscais, e a reintegração dos cônjuges no subsistema de saúde.

«Eu estou disponível, o Governo está disponível, para continuar nesse diálogo e encontrar boas soluções», assegurou Miguel Macedo, sublinhando que os recursos são limitados, «mas com ponderação e sensatez» se chegará «a bom porto», nas conversações com os sindicatos da PSP e associações da GNR.

Sem concretizar as propostas que vai apresentar na sexta-feira às estruturas sindicais, Miguel Macedo adiantou que o Ministério da Administração Interna tem soluções e também recebeu contributos.

«Temos evidentemente algumas limitações que são do conhecimento das estruturas sindicais, mas não vai ser isso que vai impedir que se fará o reconhecimento que estamos a fazer um esforço sério no sentido de encontrar algumas dessas soluções», sustentou.

O ministro afirmou que «é importante» perceber, na reunião de sexta-feira, qual «a sensibilidade das estruturas sindicais, tendo em conta o naipe das soluções que é possível encontrar».

Miguel Macedo disse ainda que a discussão com os sindicatos não deverá ficar concluída na sexta-feira.

A Comissão Coordenadora Permanente (CCP) dos Sindicatos e Associações dos Profissionais das Forças e Serviços de Segurança marcou uma manifestação nacional para 6 de março, a realizar em Lisboa.

A estrutura que congrega os sindicatos mais representativos da GNR, PSP, ASAE, SEF, Guarda Prisional e Polícia Marítima avisou que caso Governo dê uma resposta às reivindicações, o protesto fica cancelado.