Uma mulher síria foi resgatada já sem vida pela equipa da Polícia Marítima (PM) em missão na Grécia durante uma operação no mar Egeu, em que foram salvos 61 refugiados, indicou esta quinta-feira a Autoridade Marítima Nacional.

Em comunicado, a Autoridade Marítima Nacional adianta que a equipa da Polícia Marítima, em missão na ilha grega de Lesbos, retirou, na quarta-feira, já sem sinais vitais uma mulher síria, com cerca de 40 anos, que atravessava de barco o mar Egeu rumo à Grécia.

A Autoridade Marítima Nacional explica que a Polícia Marítima foi informada que um barco, a realizar a travessia entre a Turquia e a Ilha de Lesbos, estava com “grandes dificuldades” e as pessoas a bordo necessitavam de socorro.

Quando chegou ao local, a equipa de resgate portuguesa deparou-se com “um bote cheio de refugiados”, que indicaram existir uma mulher inanimada.

“Face à temperatura que se fazia sentir, cerca de zero graus, e para conseguir socorrer a mulher inanimada, a Polícia Marítima decidiu resgatar, para a embarcação portuguesa bebés, crianças e respetivas mães, evitando que entrassem em hipotermia”, refere a Autoridade Marítima Nacional, sublinhando que foram todos transportados “o mais rapidamente possível e em segurança para o porto mais próximo”.

De acordo com a Autoridade Marítima Nacional, durante o trajeto até terra, que durou 15 minutos, foram aplicadas manobras de suporte básico de vida à mulher síria, mas não foi possível reverter a situação e à chegada ao porto grego de Skala Sikaminea, os médicos declaram o óbito.

A Autoridade Marítima Nacional refere que se desconhecem as causas da morte, mas admite que podem estar relacionadas com o cansaço da viagem e o frio.

Depois deste primeiro grupo ter chegado a terra, a equipa portuguesa deslocou-se novamente para o barco e resgatou os restantes refugiados.

De acordo com a Autoridade Marítima Nacional, a equipa da Polícia Marítima resgatou, no total, 61 refugiados, dos quais 25 eram bebés e crianças, 10 mulheres e 26 homens

Uma equipa da Polícia Marítima está no Mar Egeu, na Grécia, desde 01 de outubro do ano passado, no âmbito de uma operação da Agência Europeia da Gestão da Cooperação Operacional nas Fronteiras Externas dos Estados-Membros da União Europeia (Frontex).

A operação, denominada “Poseidon Sea 2015”, tem “o objetivo de cooperar no controlo e vigilância das fronteiras marítimas gregas e no combate ao crime transfronteiriço".

Segundo a Autoridade Marítima Nacional, a patrulha portuguesa resgatou, até ao momento, mais de 2.101 migrantes e refugiados, 505 dos quais bebés e crianças.

A missão da Polícia Marítima no mar Egeu, de apoio à guarda-costeira grega, termina a 30 de setembro deste ano.


(Foto de arquivo)