O responsável do Movimento dos Utentes do Metropolitano vai pedir à Câmara Municipal de Lisboa que aumente o tempo dos semáforos para travessia de peões na Praça do Areeiro, alegando que a visibilidade é reduzida.

A zona, local de passagem para milhares de pessoas que acedem ao centro de Lisboa em transportes como a CP, a Fertágus, a Rodoviária e o Metropolitano, constitui um ponto de «sérios riscos», disse à agência Lusa Aristides Teixeira.

¿Não passa pela cabeça de ninguém que os utentes - e são milhares de pessoas que circulam na zona da Praça do Areeiro num movimento pendular vindo dos comboios da CP, da Fertágus e também das carreiras da Rodoviária, para terem acesso ao Metropolitano de Lisboa - tenham de passar por dois semáforos, que, à hora ¿de ponta¿, não dão tempo suficiente para a travessia, explicou.

Por isso, adiantou, o Movimento de Utentes pediu à autarquia uma audição e vai propor «que a semaforização tenha em conta este aspeto, ou seja, que haja mais tempo para atravessamento dos peões nas horas "de ponta"».

O Movimento está ainda a preparar contactos com outras plataformas de utentes de transportes para conjugar esforços neste pedido à câmara, disse Aristides Teixeira.

«Os peões têm pouca visibilidade e, portanto, para fazerem a travessia, correm sérios riscos. Não só [é perigoso] para eles como também para os automobilistas», concluiu.