O Ministério Público acusou dois arguidos de tentativa de homicídio qualificado, num caso ocorrido na noite de Lisboa, em 2013, em que a vítima foi atingida por tiros de metralhadora, informou esta sexta-feira Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

Segundo a PGDL, os agora acusados pertenciam a um grupo que frequentava bares e casas de alterne na noite de Lisboa e, desde há muito, mantinham «mau relacionamento» com a vítima a quem ameaçavam de morte.

Após vários desentendimentos - relata a PGDL - os dois arguidos, fazendo-se transportar num motociclo furtado, abeiraram-se da vítima na madrugada de 15 de novembro de 2013, empunhando uma metralhadora Uzi, de fabrico israelita de 9 mm, e dispararam contra o ofendido, atingindo-o em várias zonas vitais, com a intenção de lhe provocar a morte, colocando-se de imediato em fuga.

«A morte do ofendido não ocorreu, por ter sido imediatamente socorrido e operado de urgência. Em consequência, o ofendido sofreu graves lesões físicas com perigo para a vida», adianta a PGDL.

A investigação criminal revestiu-se de «excepcional complexidade» com a realização de exames balísticos e a análise do tráfico das chamadas dos arguidos no local como prova relevante para a identificação dos autores do crime.

O inquérito foi dirigido pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa e executado pela PJ e pelo Laboratório de Polícia Científica desta polícia.