logotipo tvi24

Jovens são os que mais sofrem acidentes por mergulho

Portugal é um dos países com maior taxa de mortalidade associada a estes acidentes

Por: tvi24 / CP    |   2013-05-30 12:42

Mais de 70 por cento dos traumatismos nos acidentes por mergulho são sofridos por pessoas com menos de 29 anos, alertou a Sociedade Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia (SPOT).

A SPOT vai promover uma campanha de sensibilização para prevenir os traumatismos vertebro-medulares provocados por acidentes relacionados com o mergulho.

«Portugal é um dos países com maior taxa de mortalidade associada a estes acidentes», segundo um estudo dos médicos Ricardo Prata e Jorge Mineiro, citado numa nota hoje divulgada pela sociedade.

«A incidência predominante dos traumatismos vertebro-medulares por mergulho ocorre nas faixas etárias mais jovens, com 43 por cento dos acidentes em jovens até aos 19 anos e 72 por cento se considerarmos os traumatizados até aos 29 anos», registou o estudo que incidiu na época balnear de 2012.

A população jovem é a que «mais sofre este tipo de traumatismos com consequências graves e permanentes na sua saúde, nomeadamente pela elevada incapacidade motora/sensorial», notou Jorge Mineiro, presidente da SPOT.

Outras consequências destes acidentes são os impactos psicológicos e económicos, dadas as «hospitalizações frequentes, intervenções do foro médico e cirúrgico, fármacos, reabilitação lenta, morosa e crónica».

Partilhar
EM BAIXO: Praia
Praia

Polícia espanhola procura este suspeito português
Homem procurado por alegada autoria de assalto violento a ourivesaria, há dois anos
Luz verde: 5,1 milhões de euros para alimentar praias da Caparica
Ministro já pode autorizar despesas, após despacho publicado em Diário da República
Ambulâncias médicas vão ter escala reforçada
Objetivo é que casos como o de Évora não se repitam
EM MANCHETE
Queda de muro mata três estudantes
Braga: universitários eram todos caloiros. No momento do acidente, jovens estariam envolvidos numa «guerra de cursos». Feridos já tiveram alta hospitalar
Casas de penhores: Deco levanta dúvidas à atividade
Nove mil enfermeiros abandonaram o país desde 2009