logotipo tvi24

Menor volta a ser abusada por colegas

Aluna de 14 anos voltou a ser agredida brutalmente e alvo de tentativa de violação

Por:
   |   2014-05-09 10:16

A rapariga que foi abusada por um grupo de rapazes da mesma escola de Almada, a 19 de abril de 2013, voltou a ser vítima de abuso sexual pelo mesmo grupo de quatro menores.

No ano passado, a família da jovem de 14 anos apresentou queixa na polícia contra a Escola Ruy Luís Gomes por não ter travado os abusos sexuais à aluna.

De acordo com DN, o grupo terá planeado abusar da colega novamente, o que acabou por acontecer no mês passado, um ano após a primeiro abuso, nas imediações da escola. No entanto, segundo o ministério de Educação e Ciência, em declarações ao tvi24.pt, «a aluna alegadamente vítima de violação em abril de 2013, fora do espaço escolar, não frequenta o estabelecimento de ensino desde outubro de 2013, na sequência de um pedido de transferência efetuado pela encarregada de educação» e os agressores «já não se encontram a frequentar aquela escola: um tinha sido transferido antes de abril de 2013 por aplicação de medida disciplinar e três foram transferidos em outubro/novembro de 2013 para três diferentes escolas após solicitação dos encarregados de educação.»

Ainda segundo o ministério de Educação e Ciência, em 2013 «a diretora da escola foi questionada pela IGEC sobre a situação participada, tendo relatado os factos e as diligências feitas, que incluíram a instrução de procedimentos disciplinares a alunos relativamente aos factos denunciados pela encarregada de educação. Analisados os factos e as explicações dadas pela escola, não foi apurada matéria passível de censura jurídico-disciplinar».

Menor apresenta um quadro de depressão aguda

Durante três meses, entre janeiro e abril do ano passado, a menor foi alegadamente vítima de repetidos abusos sexuais na escola e numa mata próxima por um grupo de colegas entre os 14 e os 16 anos, escreve o diário.

Os abusos começaram a 28 de janeiro de 2013 e prolongaram-se por 12 semanas, sem que a diretora da escola ou o diretor de turma tenham tomado qualquer ação, alertados pelas queixas da aluna e da sua mãe.

Só depois da agressão registada a 19 de abril desse ano, quando a aluna terá sido arrastada para uma mata perto da escola, onde foi agredida brutalmente, durante horas, e alvo de mais abusos sexuais por parte dos suspeitos, é que a escola decidiu agir e suspender por dez dias esses alunos.

A mãe da menor apresentou queixa na PSP pelo crime de abusos sexuais e tentativa de violação, bem como na Inspeção-Geral de Educação e Ciência, o que viria a dar origem a um inquérito no Ministério Público de Setúbal.

Em maio de 2013, a aluna, com historial depressivo agudo, acabou por deixar de frequentar a escola por indicação médica.

Partilhar
EM BAIXO: Violação
Violação

Detido suspeito de vários roubos em Vila do Conde e Póvoa do Varzim
Homem de 20 anos é suspeito e roubos em estabelecimentos e na via pública, com recurso a uma faca e coação física
Ébola: Libéria proíbe desembarque em todos os portos
Fonte da administração dos portos marítimos do país afirmou que entrou em vigor uma política de «tolerância zero» para combater a epidemia
Antigo gabinete de física da Universidade de Coimbra nomeado Sítio Histórico Europeu
É o primeiro local em Portugal e o segundo na Península Ibérica a receber esta distinção
EM MANCHETE
Pensionistas deixam Segurança Social no vermelho
Segurança Social apresentou um saldo negativo de 204 milhões, causado pelo pagamento do 14º mês
Défice estrutural «poderá estar em risco»
«A Rússia não deve subestimar a Europa»