A população de Melgaço doou nas últimas horas «várias dezenas de quilos» de alimentos aos bombeiros que há vários dias combatem dois grandes incêndios que deflagraram no concelho, disse à agência Lusa o presidente da corporação local.

No terreno, apenas no combate a estes incêndios, que já atingiram sete freguesias do concelho, chegaram a estar, em permanência, mais de 220 operacionais e quatro meios aéreos, estando toda a logística a cargo de uma corporação que conta com um quadro permanente inferior a 40 elementos.

«Somos uma corporação muito pequena e que vive com imensas dificuldades, pelo que esta doação é uma forma de a população nos ajudar a reduzir os encargos que estamos a assumir. Basta ver que só na terça-feira garantimos 500 refeições, em parte já com as dezenas de quilos de alimentos que estamos a receber», explicou à agência Lusa o presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Melgaço, Augusto Fernandes.

Desde segunda-feira já passaram pelos dois grandes incêndios do concelho bombeiros de várias corporações da região norte e, só num desses dias, a fatura de gasóleo paga pela corporação, relativamente a 50 viaturas no terreno, ascendeu a 4.170 euros.

«Para uma corporação que tem menos de 40 homens no resto do ano, já a contar com os 16 novos formandos em 2013, são encargos muito difíceis de suportar até chegar algum apoio oficial», apontou ainda Augusto Fernandes.

Além da doação de produtos alimentares e água pela população, através de uma campanha promovida pela autarquia e pela corporação local nas superfícies comerciais do concelho desde terça-feira, os bombeiros de Melgaço estão também a apelar para donativos, em dinheiro, tendo em conta o volume de despesas acrescidas.

«De qualquer forma, o nosso objetivo, neste momento, é resolver o mais rapidamente possível os incêndios. As contas fazem-se depois», disse ainda.

Ao final do dia hoje os bombeiros tinham no terreno várias operações de vigilância, para evitar reacendimentos. Só num dos incêndios, nas freguesias de Paderne e Cousso, que lavra desde a manhã de segunda-feira e que permanece descontrolado, combatiam as chamas, pelas 19:00, um total de 117 operacionais, apoiados por 41 viaturas e quatro meios aéreos.

«Neste incêndio a situação voltou a complicar-se nas últimas horas, mas não temos habitações em risco. O problema é que começa a haver muito cansaço nos bombeiros e por isso já foi disponibilizado o pavilhão da escola da vila para os apoiar no descanso e para tomarem banho,» explicou o presidente da Câmara de Melgaço, Rui Solheiro.