O ministro da Saúde anunciou, esta sexta-feira, que assinou, ontem, o despacho para abertura de concurso para os médicos recém-especialistas em Medicina Geral e Familiar, que acabaram há meses o internato.

Adalberto Campos Fernandes reconheceu que falta ainda a abertura de concurso para os recém-especialistas hospitalares, garantindo que está a trabalhar no assunto.

O ministro assumiu que houve um atraso que “gostaria de ter evitado” na abertura dos concursos para cerca de 700 médicos que acabaram há meses o internato do Serviço Nacional de Saúde.

Em relação aos médicos de Medicina Geral e Familiar, o concurso a abrir será para um grupo de mais de uma centena de clínicos para os Centros de Saúde.

Os sindicatos médicos e a Ordem dos Médicos têm criticado o atraso na abertura destes concursos, sendo que o ministro da Saúde tinha dito, há mais de um mês, no parlamento, que esses concursos seriam abertos “dentro de dias”.

A Ordem dos Médicos chegou mesmo a classificar como uma “vergonha nacional” a não abertura dos concursos para cerca de 700 recém-especialistas hospitalares e de saúde pública que já concluíram o internato em abril e em outubro do ano passado. 

Segundo o Sindicato Independente dos Médicos, pelo menos 200 dos cerca de 700 médicos recém-especialistas já saíram para o estrangeiro ou para hospitais privados e parcerias público-privadas, desistindo de esperar pela abertura de concursos.