O presidente do Conselho Regional do Norte da Ordem dos Médicos acusou esta segunda-feira o centro hospitalar sediado em Vila Real de “dar cobertura” a “falso” Curso de Medicina da Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário (CESPU).

António Araújo disse à agência Lusa que o Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD) mantém atualmente a estagiar nos seus serviços clínicos alunos da Licenciatura de Ciências Biomédicas da CESPU, tendo como objetivo a sua preparação para continuarem uma Licenciatura de Medicina numa universidade espanhola, o que rotula de “ilegal”.

Repudiando “por completo” esta situação, o responsável exige que as entidades competentes encerrem o Curso de Ciências Biomédicas, por “má-fé e atitude fraudulenta” da CESPU, e que o Conselho de Administração do CHTMAD denuncie “ainda hoje” o contrato de colaboração com esta instituição e proíba nas suas instalações a realização destes estágios.

Não é admissível que a CESPU, após lhe ter sido recusado pelas instâncias competentes, por duas vezes, a pretensão de abrir um Curso de Medicina em colaboração com uma universidade espanhola, por demonstrada falta de competência e de capacidade formativa nesta área, tente manter o seu projeto de uma forma encapotada e tente contornar as decisões legais”, referiu.

António Araújo frisou que não é igualmente aceitável que o Conselho de Administração do CHTMAD tenha admitido alunos de um curso que sabia de antemão ser ilegal.

Assim como não é admissível que o CHTMAD e o seu corpo clínico recebam alunos de um curso que não de um Mestrado Integrado em Medicina, permitindo-lhes assistir e participar em atividade assistencial, o que levanta graves questões de ética e de sigilo profissional”, vincou.

O presidente do Conselho Regional do Norte da Ordem dos Médicos disse que estes estágios decorrem desde o mês de março, pelas informações que obteve, não podendo garantir de que o CHTMAD seja a única unidade do Serviço Nacional de Saúde (SNS) a acolher estes alunos.

“Aguardo pelo esclarecimento de toda esta situação e consequente tomada de posição por parte dos ministérios implicados, de forma a que se reponha a legalidade, se puna as entidades infratoras e se evitem que situações destas aconteçam”, salientou.

Contactado pela agência Lusa, o CHTMAD e a CESPU remeteram explicações para mais tarde.