«Ao longo de todo este tempo, vim sempre recusando vários contratos internacionais que me foram propostos (…) Mas, infelizmente, já não é possível encontrar mais motivação para continuar num país no qual a medicina está numa total e completa mercantilização», escreve, na carta de «despedida» à Ordem dos Médicos.




TVI24

o Serviço Nacional de Saúde vai perder para o estrangeiro pelo menos 400 médicos só este ano



têm um «salário extraordinariamente baixo, de cerca de 8 euros limpos à hora

anúncios de empresas de recrutamento no site da Ordem



 



O feedback de quem está no estrangeiro é extremamente positivo









defendeu recentemente Paulo Macedo

Há uma instabilidade muito grande nos nossos hospitais e criou-se um ambiente favorável à emigração»

 «Sim, de certa forma cedo ao desânimo dos muitos colegas com quem trabalho e que já não acreditam que o SNS consiga sair deste buraco em que está a ser empurrado. Mais não consigo fazer. Desisto, estou cansado, desanimado e magoado de tanta falta de consideração humana e profissional (…) Vou claramente contrariado, pois Portugal é o meu país, mas há algo que não se pode nunca deixar vender ou corromper, e esse algo é a alma e a dignidade do médico e o cumprimento do seu dever para com o doente»