O Infarmed anunciou hoje estar a desenvolver uma operação de inspeção a farmácias de todo o país para aferir do cumprimento da lei no que respeita à dispensa dos medicamentos, nomeadamente no que respeita aos mais baratos.

A Autoridade do Medicamento veio prestar este esclarecimento, face a diferentes informações que têm sido veiculadas sobre dificuldades de acesso ao medicamento, nomeadamente as referentes à indisponibilidade dos medicamentos mais baratos nas farmácias.

«O Infarmed tem a decorrer uma operação de inspeção em todo o país, abrangendo uma amostra de mais de 300 farmácias, com o intuito de aferir o cumprimento das regras de dispensa de medicamentos estabelecidas na legislação, nomeadamente as que resultam da Lei de Prescrição por Denominação Comum Internacional (DCI)», afirma em comunicado.

Segundo a mesma nota, esta operação será concluída até ao final do mês de setembro prevendo-se a apresentação dos seus resultados no início de outubro.

O Infarmed afirma ainda que o Centro de Conferência de Faturas (CCF) detetou «um aumento do uso das exceções da obrigatoriedade de prescrição por DCI previstas na lei (que impede a opção e dispensa ao utente de outro medicamento)».

Perante isto, foi criado um Grupo de Trabalho multidisciplinar, envolvendo elementos do Infarmed e da Inspeção Geral das Atividades em Saúde (IGAS), que monitorize e verifique no terreno o cumprimento das regras de prescrição, distribuição e dispensa de medicamentos.

«O trabalho conjunto deste grupo de trabalho, em colaboração com CCF e ainda as Comissões de Farmácia e Terapêutica das Administrações Regionais de Saúde, permitirá aferir a real dimensão do uso destas exceções e o seu impacto no acesso dos doentes a opções de medicamentos menos onerosas», acrescenta.

O Infarmed está também a investigar as situações relativas às dificuldades de aquisição de medicamentos no circuito de distribuição.

Esta investigação envolve ações de inspeção junto de distribuidores e responsáveis pela comercialização de medicamentos e visa uma rápida identificação, e mitigação, das causas que estejam na origem das dificuldades reportadas pelas associações de farmácias, reporta a Lusa.