O bastonário da Ordem dos Farmacêuticos, Carlos Maurício Barbosa, voltou esta quinta-feira a defender a revisão do regime de preços e comparticipações de medicamentos, alegando que o atual sistema favorece as grandes empresas do setor.

«Entendemos que é preciso enfrentar, de uma vez por todas, a espiral deflacionista dos medicamentos», declarou o bastonário, na sessão solene do Dia do Farmacêutico, em Lisboa, apelando ao Ministério da Saúde para que "institua mecanismos estabilizadores dos preços dos medicamentos".

Segundo Carlos Maurício Barbosa, o regime de preços e comparticipações dos fármacos em vigor «transformou-se num carrasco dos operadores do setor», uma vez que «propicia condições para que as empresas de maior dimensão ou mais capitalizadas tendam a eliminar as mais pequenas».

Respondendo ao bastonário da Ordem dos Farmacêuticos, à margem da sessão, o ministro da Saúde, Paulo Macedo, disse aos jornalistas que a opção do Estado é fomentar o maior acesso das pessoas ao medicamento, reduzindo o seu preço, muito embora acrescentou que a tutela está atenta à «evolução do setor das farmácias e à sustentabilidade dos diferentes operadores» (laboratórios, distribuidores e farmácias), noticia a Lusa.