A Universidade Lusófona garantiu à TVI que os seus alunos «não têm obrigação de comunicar» as suas atividades de praxe à administração e que nunca foi apresentada nenhuma queixa sobre eventuais praxes violentas.

«As organizações dos alunos são livres e autónomas, no âmbito do regime democrático em que vivemos, não tendo os alunos livremente organizados qualquer obrigação de nos comunicar a sua existência e muito menos quaisquer códigos ou regulamentos», diz um comunicado enviado à TVI.

Sobre os documentos revelados pela TVI, a administração da Lusófona garante que «nunca houve qualquer queixa formalizada ou problema conhecido que tivesse relação com quaisquer atividades de praxe».

«E de novo nos repugna que se ponha a hipótese de ameaças sobre alunos por razões internas a grupos livremente organizados, à luz da liberdade de reunião e de associação de que todos os cidadãos beneficiam», acrescenta.



A Universidade Lusófona diz estar disponível para aclarar questões relacionadas com a tragédia no Meco, onde morreram seis dos seus estudantes.