Uma estrada na zona ribeirinha do Seixal ficou alagada esta noite, coincidindo com o pico da maré, cerca das 03:00, mas a situação estava calma, disse à Lusa um responsável da proteção civil municipal.

As autoridades locais tinham alertado na quinta-feira à tarde para a possibilidade de cheias na zona baixa do concelho, no Núcleo Urbano Antigo, apelando à população para salvaguardar os bens, vedar as portas e desligar a eletricidade entre as 02:00 e as 04:00 de hoje, uma “situação que acabou por não se verificar”, disse à Lusa Rui Pablo, coordenador no terreno da proteção civil do Seixal.

“Não há bens em risco”, sublinhou.

Pelas 03:00, registou-se a preia-mar, o que provocou uma “subida da maré um pouco acima” do nível normal, indicou à Lusa Rui Pablo.

A Avenida Nuno Álvares, junto ao rio, ficou alagada, mas “sem problemas de maior”, e as autoridades mantiveram a estrada aberta.

Os carros passam, com dificuldade e devagar, mas passam, e a esta hora [cerca das 03:00] não há trânsito que justifique” a interrupção da circulação, disse a mesma fonte.

As autoridades esperam um desagravamento da situação nas próximas horas.

Contactada pela Lusa, fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Setúbal também disse que esta noite não há “ocorrências significativas” no distrito e que a situação está “relativamente calma”.

Não há registo de agravamento meteorológico, mas mantemos a monitorização ativa e em articulação constante com a proteção civil”, referiu.

Na quinta-feira, o mar transpôs o molhe que protege as casas da Cova do Vapor, na Trafaria, Almada, inundando quatro imóveis e cortando o acesso principal à localidade.

Em comunicado, a Câmara Municipal de Almada avançou que a estrada de acesso à aldeia da Cova do Vapor “por motivos de segurança, vai permanecer, para já, encerrada”, remetendo para esta sexta-feira uma “nova avaliação dos danos” e das condições para a reabertura da via.

Também no concelho de Almada, três casas do Bairro do Segundo Torrão, na Trafaria, ficaram inundadas e um carro foi arrastado pela ondulação forte, disse fonte da Autoridade Nacional de Proteção Civil.

“Cerca das 15:00, registou-se um pico da maré na Trafaria. O mar galgou, foram afetadas três habitações e um veículo foi arrastado pela água e, entretanto, já foi recuperado”, disse a mesma fonte, acrescentando que não há vítimas a registar.

O mau tempo causou também danos no Portinho da Arrábida, em Setúbal, com o abatimento do muro de proteção junto às casas, segundo informou o Clube da Arrábida em comunicado.

Duas inundações em casas em Faro

A situação no distrito de Faro por causa do mau tempo acalmou durante a noite, com o Comando Distrital de Operações e Socorro a registar apenas duas inundações em casas e uma limpeza de via, por causa dos ventos.

Segundo o CDOS de Faro, as inundações foram registadas em habitações de Portimão e de Faro.

As autoridades interditaram na quinta-feira, por precaução, o acesso a zonas próximas do mar no Algarve, como a marginal de Quarteira, no concelho de Loulé, e a Praia de Faro.

O acesso à Praia de Faro foi interditado ao final da manhã de quinta-feira, devido à previsão de galgamentos, assim como o acesso à marginal de Quarteira, medidas de precaução para fazer face à aproximação da hora da preia-mar (ponto máximo da maré), que se registou pelas 14:25.

Na tarde de quarta-feira, a zona da doca de Faro foi atingida por um pequeno tornado que destruiu uma esplanada, virou 12 barcos - a maioria na zona exterior da doca, na Ria Formosa, - causando também danos em dez viaturas.