A Câmara Municipal da Ribeira Grande, nos Açores decidiu hoje “interditar temporariamente” o acesso à praia de Santa Bárbara, muito utilizada por surfistas, devido ao agravamento do estado do mar na costa norte da ilha de São Miguel. Em Rabo de Peixe, no mesmo concelho, várias embarcações ficaram danificadas. 

“Entendeu a Câmara Municipal da Ribeira Grande, por questões de segurança, vedar o acesso à praia de Santa Bárbara”, adianta a autarquia numa nota de imprensa, acrescentando que a interdição será mantida até se verificar uma melhoria das condições do estado do mar.

A autarquia sinalizou ainda outras “zonas de risco” nas Calhetas, nomeadamente as ruas do Porto e da Boa Viagem, em Rabo de Peixe (rua de São Sebastião) e na Maia, locais que “por várias vezes” já foram referenciados às entidades competentes, tanto pela Câmara Municipal como pelas Juntas de Freguesia, devido à instabilidade das arribas.

No caso concreto de Rabo de Peixe, em setembro os moradores da rua de São Sebastião voltaram a reivindicar “obras urgentes” para proteger uma falésia onde já ocorreram derrocadas, intervenção que o Governo Regional anunciou estar a ser preparada.

Prevê-se também a construção de um muro junto à orla costeira, do lado oposto das casas, que ainda não avançou.

Fonte da autarquia da Ribeira Grande adiantou à Lusa que os serviços municipais já avançaram com o reperfilamento da rua ameaçada pela instabilidade da falésia, estreitando a via, agora de sentido único, com “blocos amarelos que impedem o estacionamento de veículos”.

A agitação marítima causou também danos em seis embarcações de pesca de pequeno porte e duas embarcações auxiliares que estavam estacionadas em terra no porto de Rabo de Peixe, no concelho da Ribeira Grande, informou o Governo refional.

Ondas de quatro a cinco metros, “predominantemente de norte e com períodos de 15 segundos”, galgaram o porto de pescas, na costa norte da ilha de São Miguel, provocando o alagamento de parte do terrapleno da infraestrutura.

“A conjugação das caraterísticas do estado do mar com as variações de maré, acentuadas em época de marés vivas elevaram o nível da superfície livre oceânica até à cota do terrapleno”.

De acordo com a previsão do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) no grupo Oriental, que engloba as ilhas de São Miguel e Santa Maria, são esperadas hoje ondas até cinco metros diminuindo, até três metros na quarta-feira.

A meteorologista Vanda Costa adiantou à Lusa que o agravamento do mar, situação que se estende um pouco por todo o arquipélago, sobretudo nas costas norte das ilhas, se deve a uma corrente norte.