O presidente da Investimentos e Gestão de Água da Madeira (IGA) disse esta sexta-feira à tarde que a maior preocupação é restabelecer o abastecimento de água e resolver os danos na rede de esgotos no Porto da Cruz (Machico).

«Neste momento, a nossa maior preocupação é o abastecimento público, há problemas generalizados que estão em resolução», afirmou o responsável, apontando que «a situação mais grave é no Porto da Cruz», a freguesia mais afetada pelas fortes chuvas desta noite.

Nesta localidade da zona norte da ilha da Madeira, «o principal sistema que fica na Cruz da Guarda simplesmente foi destruído pela intempérie», adiantou Pimenta de França, assegurando que o IGA está a ¿tentar arranjar uma solução para fazer um bypass ao próprio reservatório para pôr água na rede¿.

O administrador apontou que esta situação está a «ser tratada, mas ainda não tem a solução porque o acesso é difícil, é impossível [ir] de carro», e foi necessário o pessoal deslocar-se a pé para fazer o levantamento.

«Se for o que nós imaginamos, penso que em 24 horas estará resolvido», afiançou, referindo que «há diversas pequenas ruturas na rede de distribuição e onde sai água entra qualquer coisa».

Sobre a situação da rede de esgotos, Pimenta de França mencionou que a estação do Porto da Cruz «estação está completamente inundada, atulhada de material».

«Também estamos a tentar resolver este problema de esgotos na zona baixa do Porto da Cruz, o coletor principal está completamente entupido», desconhecendo-se o que está a obstruí-lo, apontou.

O responsável adiantou que está a ser concretizada uma solução de emergência para desviar o conteúdo dos esgotos que está já a transbordar na zona central do Porto da Cruz, passando diretamente para o mar.

Contudo, o presidente do IGA assegurou que «o que vai para o mar não é propriamente esgoto»: «O esgoto é muito pouco comparativamente ao volume de água que está na rede de esgotos, é água suja, misturada com o que os detritos e não vai fazer grande diferença».

A freguesia do Porto da Cruz, no concelho de Machico, na zona norte da ilha, foi uma das mais afetadas pela forte chuva que caiu na madrugada, em quantidade semelhante aos valores registados no Funchal a 20 de fevereiro de 2010.

O temporal desta quinta-feira provocou deslizamentos de terras que motivaram o encerramento de estradas regionais e municipais, danos em habitações e alguns feridos ligeiros.