As previsões meteorológicas para a Madeira apontam para um prolongamento do período de chuva intensa até as 09:00 de quarta-feira, motivo pelo qual as escolas da região vão estar encerradas na parte da manhã, anunciou esta terça-feira o Governo Regional.

«Se a chuva e o vento se mantiverem fortes, talvez seja de aconselhar que as escolas não funcionem no período da manhã», disse o secretário Regional dos Assuntos Sociais numa conferência de imprensa na sede do Serviço Regional de Proteção Civil da Madeira (SRPC), no Funchal, ao início da noite, destinada a avaliar a situação de mau tempo na região para as próximas horas.

O governante realçou que «há um arrastamento do período da chuva [...] até às 09:00 e num dia normal as escolas estão a funcionar».

O arquipélago da Madeira está sob aviso vermelho devido às previsões de forte vento e chuva intensa, sobretudo nas zonas montanhosas.

O diretor do Observatório Meteorológico do Funchal, Vítor Prior, informou que o período de maior precipitação, inicialmente previsto entre as 21:00 de hoje e as 06:00 de quarta-feira «pode prolongar-se até meio da manhã de amanhã», acrescentando que os maiores valores deverão registar-se entre as 00:00 e as 03:00/04:00.

Em termos comparativos, o responsável apontou que «a precipitação no 20 de fevereiro de 2010 [temporal que causou mais de 40 mortos], em cinco horas, foi de 150 milímetros por metro quadrado no Funchal, e [agora] os valores poderiam ser 20 a 30% abaixo».

Quanto ao vento, «mantém-se forte ainda durante a noite, com o maior pico por volta da meia-noite e madrugada», referiu, mencionando que até ao início da noite a rajada com maior intensidade, na ordem dos 194 quilómetros/hora, foi registada na Ponta do Pargo (Calheta).

Vítor Prior acrescentou que foi lançado nas últimas horas um «aviso vermelho de vento para regiões costeiras, incluindo o Porto Santo, até às 06:00».

Por seu turno, o presidente do SRPC, Luís Néri, mencionou que até agora foi necessário intervir nos concelhos da Ribeira Brava, Machico e Funchal, em cortes de árvores, e recolher duas pessoas que caíram ao mar em Machico.

O responsável assegurou que todo o dispositivo está de prevenção para «acorrer no que for necessário», em articulação com os responsáveis dos municípios, que têm as situações vulneráveis assinaladas.

Luís Néri aconselhou a que as pessoas «evitem circular o menos possível durante a noite» e que comuniquem qualquer situação aos números de emergência.

As condições atmosféricas adversas já provocaram danos em pequenas embarcações de pesca e recreio nos concelhos de Machico e Santa Cruz e condicionaram o movimento no aeroporto e portos da região.

O edifício da lota do porto do Caniçal, no concelho de Machico, vai estar aberto durante toda a noite para dar apoio aos armadores e pescadores que ali se encontram.

Segundo o secretário do Ambiente e Recursos Naturais, Manuel António Correia, o objetivo é o espaço servir de infraestrutura de apoio na eventualidade de as pessoas necessitarem de acomodação ou balneários no período em que ficam vigilantes às embarcações.

No porto do Caniçal, está sediada uma das duas grandes frotas piscatórias da Madeira, esta dedicada ao atum, sendo a segunda a de Câmara de Lobos, de peixe-espada, que está abrigada no porto do Funchal, onde armadores e pescadores também acompanham o evoluir do estado do mar.

Manuel António Correia informou que no porto do Caniçal estão entre 30 a 40 embarcações e que as condições meteorológicas «obrigam à vigilância permanente em relação aos barcos».