Os acessos à serra de Sintra reabriram à circulação rodoviária esta segunda-feira cerca das 14:30, após a limpeza dos estragos provocados pelo mau tempo, informou fonte da autarquia.

Segundo a mesma fonte, as estradas da serra ficaram desimpedidas e foram reabertas ao trânsito, apesar de «condicionamentos pontuais para circulação das máquinas das equipas dos serviços municipais que ainda se encontram a proceder à retirada das árvores que caíram».

A Proteção Civil de Sintra condicionou no domingo à tarde a circulação automóvel junto à Malveira, Rampa da Pena, Azóia e Pé da Serra (Colares). No perímetro encerrado à circulação apenas podiam transitar residentes.

O fecho dos acessos ocorreu como medida de precaução, após a queda de duas árvores de grande porte que impediram a circulação de dois autocarros, mas sem provocar danos.

Os trabalhos de desobstrução de algumas estradas, devido à queda de arvoredo, muros e postes de comunicações, prosseguiram durante a manhã.

Fonte da autarquia contabilizou que, desde o início do alerta laranja da Proteção Civil, se registaram 476 ocorrências no concelho.

Na serra caíram «mais de uma centena de árvores» e nas zonas urbanas a queda de arvoredo e sinalética provocou danos em veículos.

A porta-voz da sociedade Parques de Sintra-Monte da Lua (PSML), que gere os parques e monumentos da serra, confirmou que os palácios da Pena e de Monserrate, o Castelo dos Mouros e o Convento dos Capuchos já reabriram aos visitantes, após o restabelecimento da circulação rodoviária.

A mesma fonte da empresa havia indicado anteriormente que não se tinham verificado danos no património construído, tendo, entretanto, atualizado a informação, revelando que «houve alguns danos na Abegoaria e na Casa do Pombal, uma antiga casa de guarda, mas nada de estrutural».