A chuva forte que caiu hoje ao início da noite no distrito de Beja provocou várias inundações, tendo a mais gravosa ocorrido numa escola em Ferreira do Alentejo, onde na quarta-feira não haverá aulas, disse fonte da autarquia.

O presidente da Câmara Municipal de Ferreira do Alentejo, Luís Pita Ameixa, afirmou à agência Lusa que a escola E/B, 2/3 José Gomes Ferreira vai estar encerrada na quarta-feira devido a inundações causadas por “uma forte chuvada” que afetou o concelho.

A situação mais grave foi na escola, tendo afetado salas de aula, o pavilhão, a sala de professores e a parte elétrica. Não há condições para haver aulas na quarta-feira e vamos agora avaliar todos os danos causados”, afirmou.

O autarca referiu que foram efetuadas obras recentemente na escola, nomeadamente na zona do pavilhão, onde também houve inundações, e que vai analisar a ocorrência.

Foram feitas obras há pouco tempo na escola, como no caso do pavilhão, mas penso que estas ocorreram no piso. Não foi no meu mandato, mas vou analisar toda a situação e encontrar soluções”, explicou.

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Beja confirmou que a Escola E/B, 2/3 José Gomes, em Ferreira do Alentejo, sofreu danos em salas, corredores e no quadro elétrico, devido à inundação, e vai encerrar na quarta-feira, "por precaução e segurança".

Um funcionário da escola José Gomes Ferreira disse à agência Lusa que a água penetrou em várias salas do edifício central, atingindo os espaços de aulas, de professores, biblioteca e reprografia, bem como no pavilhão gimnodesportivo, alangando o chão.

Entrou muita água, que alagou as salas e destruiu tetos falsos. Os quadros elétricos, que não estavam vedados, jorravam água, uma coisa incompreensível", disse a mesma fonte.

A fonte, que pediu para não ser identificada no texto, disse que o pavilhão desportivo foi alvo de obras "há pouco tempo", para colocação de um piso que custou "milhares de euros", mas que o telhado não foi arranjado e que agora ficou tudo alagado.

Os estragos no edifício central afvetaram também livros, computadores e pastas, para além do mobiliário.

Apesar de a escola não receber quarta-feira alunos, os professores e funcionários foram convocados para trabalhar.

A chuva forte causou também problemas em vários pontos do concelho, com habitações e ruas afetadas.

Não tenho o retrato ainda completo, mas ocorreram vários casos de pequenas inundações em habitações e em ruas. Sei que houve vários problemas”, acrescentou.

Na rede social Facebook, o município de Ferreira do Alentejo informou a população do encerramento da escola e dos problemas que estavam a ocorrer.

 

“Devido aos períodos de chuva forte que têm estado a cair na vila de Ferreira do Alentejo, desde as 17:45, avisa-se toda a população que deve evitar circular nas ruas quer a pé quer de automóvel, face à grande quantidade de água existente no pavimento. Deverá ter especial atenção aos sumidouros, algerozes e esgotos, chamando os bombeiros e a Proteção Civil em caso de inundações ou entupimentos”, escreveu o município.

Segundo a mesma fonte, os concelhos de Beja e de Ferreira do Alentejo foram os mais afetados com as inundações registadas até cerca das 23:00, em habitações, vias públicas e estradas.

Na zona de Beja foram registadas nove inundações, em Ferreira do Alentejo sete, tendo as restantes ocorrido nos concelhos de Serpa, Moura, Barrancos e Odemira.