A Câmara de Caminha pediu esta quarta-feira uma «intervenção urgente» no litoral de Vila Praia de Âncora depois de a forte agitação marítima das últimas semanas ter destruído uma duna, alterando o curso do rio.

Em causa está a destruição «por completo» da duna dos Caldeirões, junto ao centro da freguesia de Vila Praia de Âncora, devido à forte agitação marítima e às sucessivas cheias deste ano.

A destruição da duna fez ainda alterar o curso do rio Âncora na sua foz, ao desaguar no mar, provocando, segundo a autarquia de Caminha, «vários problemas estruturantes» no local.

«É urgente restaurar o curso do rio antes do verão. Esta é uma situação que tem de ficar resolvida até maio», defendeu entretanto a Câmara, após reunião realizada esta semana, no local, entre autarcas, responsáveis da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e da sociedade Polis do Litoral Norte.

Face à «gravidade da situação», o presidente da Câmara, Miguel Alves, defendeu como «urgente» que a APA tome medidas e que «resolva o problema da duna», definindo para tal «um plano de ação imediato».

A autarquia quer ainda que os contributos dos autarcas das freguesias de Âncora e de Vila Praia de Âncora, dos representantes de associações ambientalistas e de pescadores locais sejam, igualmente, levados em conta no desenho desta operação.

Segundo a mesma fonte, responsáveis da APA deverão reunir-se na próxima semana com a Câmara de Caminha, na presença de um especialista em erosão costeira, para definir uma intervenção no local.