O distrito de Bragança foi onde mais choveu no domingo, segundo o comandante do Centro Distrital de Operações e Socorro (CDOS), Noel Afonso.

De acordo com dados disponibilizados pelo comandante operacional de Bragança, o distrito registou níveis de pluviosidade de “100 mililitros por metro quadrado”, seguido de Viseu com “94 mililitros por metro quadrado”, que contribuíram para agravar as situações de cheias observáveis já desde o final da semana passada.

Todos os cursos de água transbordaram com inundações, derrocadas em caminhos, parques de estacionamento alagados, mas sem danos pessoais, sendo que o caso mais relevante apontado pelas autoridades é o da derrocada de um muro, em Bragança, sobre a habitação de uma idosa que teve de sair de casa como medida de segurança.

Esta situação ocorreu na zona dos Batocos, junto ao rio Fervença, na cidade, e está a ser acompanhada pela Câmara Municipal, que adiantou à Lusa tratar-se de um muro de uma propriedade privada que ruiu tendo danificado a porta e o telhado da habitação.

O presidente da Câmara, Hernâni Dias, adiantou nesta segunda-feira, à margem da apresentação do Festival do Butelo e das Casulas, que a idosa foi acolhida em casa de familiares.

O município está a proceder à limpeza da zona, assim como de caminhos, mais nas zonas rurais, onde ocorreram aluimentos de terras e de pedras.

Ainda no concelho de Bragança, a ribeira da aldeia de Frieira dividiu a povoação ao meio devido à subida do caudal.

Também a força do caudal do rio Fervença, na cidade de Bragança, causou estragos na Casa da Seda, um equipamento que faz parte da zona de intervenção Polis.

No resto do distrito, segundo o CDOS houve várias inundações e estradas cortadas devido à subida dos caudais de rios e ribeiras, nomeadamente duas vias na zona do rio Sabor, no sul da região, que entretanto já estão reabertas, de acordo com a fonte.

O rio Tua galgou as margens em Mirandela, alagando os parques de estacionamento em volta da zona verde da cidade transmontana.

“Foi o distrito onde mais choveu, tivemos muitas ocorrências, mas em termos de consequências nada de grave”, afirmou o comandante Noel Afonso, em declarações à agência Lusa.

Desde que o país está sob avisos meteorológicos, concretamente entre sexta-feira e hoje, o CDOS de Bragança contabilizou “107 ocorrências” em toda a região.

O responsável afirmou que “a situação está a regressar à normalidade” e que se prevê “uma melhoria” das condições atmosféricas com “um desagravamento hoje e manhã (segunda e terça feira)”.