O presidente da câmara de Albufeira, Carlos Silva e Sousa, pediu esta segunda-feira que fosse decretado o estado de calamidade pública para o concelho porque os estragos causados pela chuva foram muito elevados, apurou a TVI.

A decisão do autarca de Albufeira foi tomada por volta das 18:00, após a visita do ministro da Administração Interna.    João Calvão da Silva admitiu decretar o estado de calamidade depois do presidente da Câmara fazer a avaliação dos estragos causados pela chuva e se estiverem preenchidos os requisitos necessários.

“É preciso que o levantamento seja feito e, verificado esse levantamento, com os requisitos legais preenchidos, aplica-se a lei”, declarou o governante. Calvão da Silva sublinhou não estar ainda em condições de dizer se vai ser declarado o estado de calamidade pública, uma vez que os “as leis são para cumprir e os requisitos legais têm de se verificar”.


João Calvão da Silva, que falava aos jornalistas durante uma visita à baixa de Albufeira, a zona mais afetada da cidade pelo mau tempo no domingo, disse ainda que a declaração do estado de calamidade pública “não é uma lei que se faz por qualquer coisinha”. O ministro salientou que, para acionar a lei, é preciso que se verifiquem determinados requisitos.