O piso abateu na baixa de Lisboa que o piso abateu, por causa da chuva forte, originando um buraco. Mas, a Proteção Civil também registou abatimentos de piso na faixa de rodagem da rua de Angola, na freguesia dos Anjos, e na rua do Arco do Carvalhão, em Campo de Ourique.

Nesse bairro, estava a ser enviada maquinaria pesada cerca das 14:50. Na rua do Arco do Carvalhão, o buraco provocado será maior do que o que foi registado na rua Garrett, no Chiado, segundo fonte do serviço de Proteção Civil Municipal, aqui citada pela Lusa.

Na rua de Angola, a circulação foi totalmente cortada. Em causa está um “abatimento contínuo” e é necessário retirar todas as viaturas que ali se encontram estacionadas.

Este tipo de abatimento significa que o piso pode continuar a abater. Por razões de segurança as viaturas que estão estacionadas no local vão ser removidas”.

A rua de Angola é uma das vias perpendiculares à avenida Almirante Reis, no centro da cidade. O trânsito está cortado desde a manhã, sem haver ainda uma previsão para a reabertura.

Cerca das 14:30 estavam no local meios do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa, da Polícia Municipal e da Proteção Civil Municipal a avaliar os estragos causados e a cortar o trânsito.

Os abatimentos e a derrocada não provocaram danos materiais nem fizeram feridos, informou a Proteção Civil municipal, referindo que as equipas se mantêm nas zonas afetadas a monitorizar a situação.

Quase 500 ocorrências a nível nacional 

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) registou hoje, até às 14:30, 423 ocorrências no continente. Lisboa, Santarém, Setúbal e Castelo Branco são os distritos mais afetados por inundações, limpeza de vias e queda de árvores.

Só na capital houve 200 ocorrências. Em Santarém, 50, em Setúbal 30, e em Castelo Branco 20.