O Ministério Público (MP) acusou um homem de matar outro «fisicamente frágil, consumidor de estupefacientes e padecente de doenças debilitantes», em 2012, em Gaia, distrito do Porto, comunicou esta sexta-feira a Procuradoria-Geral Distrital do Porto na sua página.

Segundo a procuradoria, o MP considerou que o arguido assassinou o outro a 25 de junho de 2012, pelas 14:30, num pequeno jardim na Rua do Castro, em Vila Nova de Gaia, devido a uma dívida.

«Desferiu socos na cara, derrubando-o ao solo, posto o que o pontapeou violentamente e, por várias vezes, na cabeça, pescoço, membros, região torácica e abdominal, provocando-lhe lesões que determinaram a morte», lê-se na nota.

Neste momento, o suspeito de homicídio está em prisão preventiva.

Além disto, a procuradoria anunciou ainda que o MP acusou a 30 de janeiro deste ano um homem pela prática de um crime de homicídio qualificado na forma tentada e outro de ameaça agravada.

Segundo a acusação, os factos aconteceram a 19 de agosto de 2014, às 20:30, na Azurara, em Vila do Conde, distrito do Porto.

O MP entendeu que o arguido «movido pela vontade de tirar desforço de condutas anteriores» abordou com violência dois indivíduos sem-abrigo que pernoitavam nas antigas instalações da EDP.

«Agarrou num deles que estava deitado numa cama pelo pescoço, levantou-o, desferiu-lhe bofetadas e socos, lançou-o desamparado ao chão e fez-lhe embater a cabeça, por várias vezes, no solo, deixando-o inanimado e em coma, só não lhe causando a morte por ter sido prontamente assistido no hospital», refere a procuradoria.

O suspeito aguarda o decurso do processo judicial em prisão preventiva, medida de coação mais grave.