Atualizada às 13h14

Os dois independentistas das Canárias que desembarcaram nas Ilhas Selvagens e que apresentaram uma bandeira daquela região, permanecem no local, onde já está a Marinha portuguesa, informou esta quarta-feira o vigilante do Parque Natural da Madeira.

A Autoridade Marítima Nacional anunciou que os dois independentistas foram identificados e vão ser transportados para o Funchal por não terem meios próprios de deslocação.

De acordo com uma nota publicada no site da Marinha Portuguesa, as autoridades deslocaram para o local um navio patrulha com dois agentes da Polícia Marítima, que procederam à identificação dos dois cidadãos de nacionalidade espanhola.

A Lusa falou com o capitão do Porto do Funchal, que indicou o porta-voz da Marinha Portuguesa para qualquer informação relativa a este caso, mas o contacto com aquele responsável ainda não foi possível.

Um grupo de militantes da Alternativa Nacionalista Canária (ANC) «desembarcou» na segunda-feira nas Ilhas Selvagens, protagonizando um protesto simbólico de contestação às prospeções petrolíferas previstas para a zona e de reivindicação de soberania sobre aquele arquipélago português, que fica mais próximo das Canárias do que da Madeira.

O porta-voz da ANC explicou à Lusa que a ação não pretende «abrir qualquer conflito com Portugal» - que tem a soberania sobre as Selvagens -, mas antes «sensibilizar os portugueses para o problema das prospeções petrolíferas».

Pedro Gonzalez reiterou que a ANC defende a independência do arquipélago das Canárias e que, nesse cenário, «se teria que conversar com Portugal», sugerindo que deve ser aplicada «a lei do mar e traçada uma linha mediana com a Madeira, o que colocaria as Selvagens em águas das Canárias», à semelhança do que acontece com Marrocos.