Os deputados deram, na última sessão legislativa, 1.517 faltas. O PSD foi o partido mais faltoso, a superar as 650 ausências, seguido pelo PS, com 590 faltas. Segundo dados da Assembleia da República, a antiga Ministra das Finanças e atual deputada do PSD, Maria Luís Albuquerque, não perdeu o mandato por apenas uma falta.

Dos 230 deputados eleitos, apenas 34, ou seja 15%, estiveram em todas as 109 sessões plenárias da Assembleia da República, de setembro de 2016 a julho deste ano.

Os partidos mais faltosos

Em média, e por cada sessão parlamentar, às quartas-feiras, quintas-feiras e sextas-feiras, faltaram 14 deputados. Em 2016, essa média foi de 11 faltas, em 2015 de 17 e em 2014 foi de 16, recorda a Lusa.

O PSD, o maior grupo parlamentar, com 89 deputados, é também o que mais faltas regista, 667. Segue-se o PS, com 86 representantes e 590 ausências contabilizadas.

O CDS-PP, com uma representação de 18 parlamentares, soma 151 faltas.

Entre os partidos à esquerda, o Bloco de Esquerda, com 19 deputados, tem 45 faltas, menos do que o PCP, com 15 parlamentares e 58 faltas. O Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) tem dois eleitos e também duas faltas (ambas de José Luís Ferreira, em missão parlamentar).

André Silva, único deputado do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN), deu quatro faltas.

De setembro de 2016, a 19 julho, realizaram-se 109 sessões do plenário da Assembleia da República.

Faltas por grupo parlamentar:

PSD 89 deputados 667 faltas
PS 86 deputados 590 faltas
BE 19 deputados 45 faltas
CDS-PP 18 deputados 151 faltas
PCP 15 deputados 58 faltas
PEV 2 deputados 2 faltas
PAN  1 deputado 4 faltas

Média de faltas de deputados por sessão: 14

Antiga Ministra das Finanças ficou a uma falta de perder mandato de deputada

Das 1.517 faltas, apenas há 16 faltas injustificadas e Maria Luís Albuquerque foi a única a atingir as três ausências injustificadas. Se desse mais uma perderia o mandato de deputada.

Entre os deputados com duas faltas injustificadas contam-se Maria Antónia Almeida Santos (PS), Miguel Morgado (PSD), Filipe Anacoreta Correia, João Almeida e Teresa Caeiro (CDS-PP).

Com uma falta injustificada estão os deputados António Leitão Amaro (PSD), José Manuel Pureza (BE) e Cecília Meireles (CDS-PP).

Deputados com faltas injustificadas:

  • Maria Luís Albuquerque (PSD) - 3
  • Maria Antónia Almeida Santos (PS) - 2
  • Miguel Morgado (PSD) - 2
  • Filipe Anacoreta Correia (CDS-PP) - 2
  • João Almeida (CDS-PP) - 2
  • Teresa Caeiro (CDS-PP) - 2
  •  António Leitão Amaro (PSD) - 1
  • José Manuel Pureza (BE) - 1
  • Cecília Meireles (CDS-PP) – 1

As faltas dos líderes partidários

Pedro Passos Coelho, do PSD, por exemplo, deu quatro faltas justificadas por trabalho político.

Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, deu igualmente quatro faltas por trabalho político e uma por doença.

Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda, deu duas faltas, uma para dar assistência à família e outra por trabalho político.

À direita, Assunção Cristas, do CDS-PP, teve oito faltas, todas elas justificadas com trabalho político.

Dos deputados sem faltas, o Partido Ecologista “Os verdes” lideram a tabela com 50% de presenças, seguido do Bloco de Esquerda com 36%, segue-se o PSD com 16,9%, o PS com 10,5%, o PCP encabeça o antepenúltimo lugar com 6,6 % de deputados que não faltaram. Por último está o CDS com 5.5%.