Morreu a bebé portuguesa que nasceu no Dubai às 25 semanas de gestação, após quase três semanas a lutar pela vida. Eram onze da manhã no Dubai, sete em Portugal.

O pai da criança colocou uma mensagem no Facebook, onde agradecia o apoio de todos os que ajudaram e «rezaram» pela pequena Margarida.
 

«Não há forma para dizer, não há forma para explicar. A nossa Gui decidiu partir. Obrigado a todo o mundo por todas as orações e apoio!», escreveu Gonçalo Queiroz na sua página.

Também a mãe da bebé agradeceu todo o apoio que foi dado à família.

«Às 11:00 do Dubai e 07:00 de Portugal, a nossa Guerreira deixou-nos», agradecendo «a todos pelo apoio incondicional».

A «Gui» será recordada como a bebé que criou uma enorme onda de solidariedade à escala mundial, quando os seus pais, Genny e Gonçalo, pediram ajuda para pagar as despesas do hospital privado onde a pequena nasceu, e para que fosse transferida para um hospital público.

A bebé que nasceu apenas com 410 gramas e estava a lutar pela vida desde o dia 28 de outubro terá morrido na sequência de uma falência de órgãos.

De acordo com o Secretário de Estado das Comunidades, José Cesário, os pais já entraram em contacto com a embaixada portuguesa no Dubai e estão a tentar resolver as questões administrativas para transportar o corpo para Portugal.

O caso da bebé ficou conhecido em Portugal após um pedido de ajuda público dos pais, uma vez que não há seguradoras que façam apólices a uma bebé cujas hipóteses de sobrevivência oscilam entre 40% e 50%.

A história do casal de emigrantes portugueses gerou uma onda de solidariedade que levou à criação de uma página na rede social Facebook, através da qual foram já angariados mais de 60 mil euros e por onde mais de 128.000 pessoas seguiam a luta pela vida da bebé.

Nos últimos dias, os pais revelaram que o estado da bebé era crítico, com falência renal, que conduziu a uma falência de vários órgãos.