O mau tempo decorrente da tempestade Ana já provocou um morto em Portugal. Uma árvore caiu sobre um veículo em Marco de Canaveses, no distrito do Porto e uma mulher de cerca de 40 anos, a condutora da viatura, morreu.

A TVI24 confirmou com o Comando Distrital de Operações de Socorro do Porto (CDOS) que o acidente ocorreu na estrada nacional 211, no lugar de Fiarinha, pelas 17:20.

Para além da vítima mortal, há dois feridos ligeiros, um casal, que seguiam noutro automóvel que parou para prestar auxílio à vítima. Foram assistidos no terreno. 

A reportagem da TVI24 no local apurou que o carro onde seguia a mulher foi atingido por uma pedra. A condutora saiu e foi nessa altura que a árvore lhe caiu em cima, acabando por perder a vida.

Tem fotos do mau tempo? Envie para euvi@tvi.pt

Segundo a Lusa, o óbito foi confirmado no local pela equipa da Viatura de Emergência Médica e Reanimação do Hospital de Penafiel.

Estiveram no local 26 operacionais, com 10 viaturas, e uma equipa de psicólogos para apoiar os familiares da vítima.

Pelas 20:00, o carro da vítima mortal já tinha sido removido da estrada e os trabalhos de remoção da árvore já tinham começado.

Mais quedas de árvores e até de um poste de eletricidade

Já em Mogadouro, na estrada nacional 221, registou-se outra queda de uma árvore de grande porte e, também, de um poste de eletricidade. Esta situação obrigou ao corte, nos dois sentidos, da EN, na zona de Urros.

Segundo a Lusa, ao local acorreram os Bombeiros Voluntários de Mogadouro, distrito de Vila Real, que, pelas 17:10, aguardavam a chegada de uma equipa da EDP que cortasse a eletricidade para que pudessem proceder à remoção da árvore e poste.

O alerta foi dado pelas 15:30 e do incidente não resultaram feridos.

"Risco Extremo" em vários distritos

Recorde-se que oito distritos do continente estão sob aviso vermelho, devido a "risco extremo", por causa do mau tempo. Espera-se vento muito forte, com rajadas superiores a 130 quilómetros/hora nas terras altas.

Os distritos em causa são Viseu, Porto, Guarda, Vila Real, Viana do Castelo, Aveiro, Coimbra e Braga. O aviso é válido desde 19:59 de hoje e a 01:59 de segunda-feira.

A tempestade Ana começou a formar-se a noroeste da Península Ibérica e terá como período mais crítico “o final da tarde de domingo e a madrugada de segunda-feira, com impactos expectáveis devido a ventos fortes, precipitação intensa, queda de neve e forte agitação marítima”.

Mar muito perigoso

Ao final da tarde, a Autoridade Marítima Nacional (AMN) e a Marinha alertaram para as prováveis consequências da previsão de agravamento do estado do mar na costa oeste de Portugal continental.

O alerta é dirigido em particular a toda a comunidade piscatória e da náutica de recreio que se encontra no mar, em especial a Norte do Cabo da Roca, bem como a toda a população que frequente as zonas costeiras ao longo de toda a faixa litoral oeste do Continente.

As atuais previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) referentes à provável ocorrência de forte agitação marítima dos quadrantes de Oeste, com altura significativa que podem chegar aos 7 metros nas áreas marítimas mais afastadas a oeste do Continente, terão especial incidência a Norte do Cabo da Roca a partir do final da tarde de hoje”.

Segundo a AMN, estas condições meteorológicas adversas vão estender-se a toda a costa oeste do Continente entre segunda e quarta-feira, sendo que a agitação marítima forte deverá começar a diminuir ao longo da madrugada de quarta-feira.

Assim, à população em geral, recomenda-se que se abstenham da prática de passeios junto à costa e nas praias, bem como da prática de atividades lúdicas nas zonas expostas à agitação marítima. Aos pescadores lúdicos de pesca à cana aconselha-se cautela, evitando pescar junto a zonas de arriba nas frentes costeiras atingidas pela rebentação das ondas”.

À comunidade piscatória e à comunidade da náutica de recreio, que se encontrem em atividade no mar, a AMN aconselha “o eventual regresso ao porto de abrigo mais próximo e a adoção de medidas de precaução”.

A AMN aconselha ainda a manter um estado de vigilância permanente e o acompanhamento da evolução da situação meteorológica e dos avisos à navegação e de previsão meteorológica radiodifundidos pela Marinha relativos à previsão meteorológica do IPMA, bem como outras informações das capitanias dos portos sobre as condições de acesso aos portos, evitando sair para o mar até que as condições melhorem.

Os meios navais da Marinha e os meios marítimos da Autoridade Marítima Nacional, designadamente das Estações Salva-Vidas, encontram-se em permanente alerta e em prontidão para responder a pedidos de socorro no mar.