O Palácio de Belém vai abrir as suas portas em setembro para uma Festa do Livro, anunciou esta quinta-feira o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, durante a abertura da 86.ª Feira do Livro de Lisboa.

“A Presidência da República e a APEL (Associação Portuguesa de Editores e Livreiros) decidiram abrir as portas do Palácio de Belém e criar a Festa do Livro, que irá decorrer no início de setembro”, revelou Marcelo Rebelo de Sousa, explicando que os visitantes poderão passear nos jardins, mas também “contactar com livros e comprar livros”.

O Presidente da República inaugurou esta quinta-feira a 86.ª Feira do Livro numa cerimónia onde o presidente da APEL, João Amaral, anunciou que Marcelo Rebelo de Sousa passava a ser membro honorário da APEL, depois de ter sublinhado que “há mais de 15 anos que a Feira do Livro não recebia o chefe de Estado na sua inauguração”.

João Amaral explicou que esta foi a forma encontrada pela APEL para agradecer a Marcelo Rebelo de Sousa o que tem feito pela literatura, desde os tempos em que foi editor, nos anos 80, à oferta da sua biblioteca pessoal a Celorico de Bastos, ou aos programas televisivos e radiofónicos em que dedicava sempre um espaço aos livros e autores.

“Penso que mereço (ser membro honorário da APEL) pelo dinheiro que perdi enquanto editor”, respondeu em tom animado Marcelo Rebelo de Sousa, lembrando que “era uma forma feliz de se perder muito dinheiro”.

A cerimónia de inauguração oficial da Feira do Livro decorreu ao início da tarde na entrada sul do parque, junto ao Marquês de Pombal, e contou com a presença do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, entre muitas outras personalidades, mas em que esteve ausente o secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado, devido à reunião do Conselho de Ministros, no âmbito dos seis meses de Governo.