O patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, disse que pediu ao Presidente da República, Cavaco Silva, e ao primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, «uma resposta que seja capaz de não deixar ninguém para trás».

O pedido foi efetuado no final da missa que serviu de apresentação do patriarca à sua diocese, durante a sessão dedicada aos cumprimentos das autoridades e restantes crentes que marcaram presença no Mosteiro dos Jerónimos.

Questionado no final da celebração pelos jornalistas sobre se lhes deixou algum recado especial, aquele que é também presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, revelou o teor da mensagem: «Estamos cá todos para que cada um no seu setor, cada um na sua competência demos uma resposta solidária capaz de não deixar ninguém para trás e não deixe ninguém de fora».

«O que disse às pessoas ligadas à Assembleia da República, ao Estado e ao Governo foi que temos todos de fazer o melhor, e com certeza estamos todos dispostos a isso porque as responsabilidades são grandes e o momento é complexo», acrescentou.

Sobre os aplausos ouvidos no interior do Mosteiro dos Jerónimos dirigidos ao Presidente da República e ao primeiro-ministro, Manuel Clemente interpretou-os como sendo o testemunho de que «há pessoas, que não são poucas em Portugal, que consideram que - com as suas dificuldades e acertando uma vezes e outra não - [Passos Coelho e Cavaco Silva] também dão o melhor que sabem e que podem».